Mais Notícias

Julgamento do Caso Bernardo começa nesta segunda-feira

 

Os quatro acusados pela morte do menino Bernardo Uglione Boldrini, crime que chocou o Rio Grande do Sul e o Brasil há cerca de cinco anos, começam a ser julgados nesta segunda-feira, em Três Passos, no Noroeste do Estado. O pai da vítima, Leandro Boldrini, a madrasta Graciele Ugulini, e a amiga dela Edelvânia Wirganovicz, além de Evandro Wirganovicz, irmão de Edelvânia, vão a Júri Popular, presidido pela juíza Sucilene Engler Werle. A previsão é de que o julgamento dure toda a semana, já que há um total de 18 testemunhas para serem ouvidas. Desaparecido em 4 de abril de 2014 em Três Passos, Bernardo Boldrini, de 11 anos, foi encontrado morto dez dias depois no interior de Frederico Westphalen, a cerca de 80 quilômetros de distância. O corpo estava dentro de um saco plástico, enterrado em um matagal às margens de um riacho.

 

A causa da morte do menino teria sido a superdosagem do Midazolam, medicamento presente no estômago, no rim e no fígado da vítima, de acordo com laudos periciais. Os quatro réus respondem por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. De acordo com o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS), o processo que apura o crime tem aproximadamente 9 mil páginas, distribuídas em 44 volumes. Na fase de instrução processual, foram ouvidas 25 testemunhas arroladas pela acusação, 29 indicadas pelas defesas e os quatro réus. No julgamento, das 18 testemunhas que serão ouvidas, cinco são de acusação, nove arroladas pela defesa de Boldrini e quatro pela de Graciele Ugulini.

 

Obedecendo as definições do Código Penal, o Júri Popular deve funcionar com o sorteio dos sete jurados para definir o Conselho de Sentença. Em seguida, serão ouvidas as testemunhas e, após isso, os quatro réus irão depor. Haverá, ainda, a apresentação das teses de acusação e de defesa, com possibilidade de réplica e tréplica, e, na sequência, os jurados serão reunidos para o veredito. Por fim, a juíza dosa a pena e declara a sentença, que pode ser condenatória ou absolutória. A sentença poderá ser recorrida. O julgamento dos acusados pela morte de Bernardo Boldrini terá ampla cobertura da imprensa. Em incomunicabilidade, as testemunhas só poderão ser fotografadas e gravadas de costas. Não há, no entanto, restrições quanto aos réus.

 

Bernardo Uglione Boldrini foi visto pela última vez no dia 4 de abril de 2014, uma sexta-feira, em Três Passos. Nas investigações, Edelvânia, amiga da madrasta, admitiu o crime e apontou o local onde a criança havia sido enterrada. A denúncia, apresentada à Justiça em maio do mesmo ano, dá conta que a morte do menino começou por volta do meio-dia e terminou perto das 15h do dia do desaparecimento, em Frederico Westphalen. Ele teria sido levado por Graciele sob o pretexto de realizar atividades de seu agrado e, no início da viagem, recebido, via oral, as primeiras doses de Midazolan. Já no município vizinho, os dois encontrariam Edelvânia Wirganovicz e seguiriam para um local previamente escolhido, na Linha São Francisco, Distrito de Castelinho, onde havia uma cova vertical aberta dias antes. A droga utilizada no crime teria sido adquirida com o receituário de Leandro Boldrini, com carimbo e timbre do médico.

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Curtir esta notícia
Please reload

Apoio Cultural
Logo Linhares fundo vermelho II.png
Please reload

CATEGORIAS
Some elements on this page did not load. Refresh your site & try again.

  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle
  • YouTube - White Circle
  • White Instagram Icon

Mantenedora: Associação Comunitária e Cultural São Lourenço

Rádio Estação FM: Canal 285 – ZYV227 – 104,9 MHz

Rua Pedro Álvares Cabral, 160- 2º andar. Bairro Brasília.

São Lourenço do Oeste - SC 

(49) 3344-0104